• EMPRESA

  • AGENDAMENTO
  • RESULTADOS
  • MINHA CONTA


É possível preservar a fertilidade após o câncer

Publicado em 19/04/2017

A infertilidade é um dos principais efeitos colaterais do tratamento do câncer, mas técnicas modernas já permitem a preservação da vida reprodutiva



O câncer é uma das principais causas de morbidade e mortalidade em todo o mundo, responsável pelo óbito de mais de 8,8 milhões de pessoas no ano de 2015. O Dia Mundial de Combate ao Câncer, celebrado todo 8 de abril por iniciativa da Organização Mundial da Saúde, foi criado para atrair a atenção da população mundial para o aumento no índice de câncer no mundo e também as ações de prevenção e combate à doença.


Tratamentos e efeitos colaterais


A ciência avança na cura de diferentes tipos de câncer, propiciando a sobrevivência a longo termo para diversos pacientes. De fato, tratamentos quimioterápicos e radioterápicos têm permitido taxas de sobrevivência de aproximadamente 80% entre crianças e adolescentes.

A meditação sobre os tratamentos e sobrevida deve incluir a qualidade de vida e, assim, a possibilidade do paciente se tornar pai ou mãe, acomodando-se aos desejos de fundar uma família, próprios da natureza humana. Dessa maneira, chama a atenção a questão da preservação da fertilidade, pois efeito colateralsabido dos tratamentos do câncer é a infertilidade.

Fertilidade (iStock/Getty Images)


Um estudo publicado há alguns anos pelo nosso grupo (Int Braz J Urol. 2009) constatou que 86,9% dos pacientes com câncer tinham preocupação com a fertilidade futura e a criopreservação de seu gametas os deixava mais confortáveis para enfrentar a doença e o tratamento.


Há esperança


Técnicas e estratégias para preservação da fertilidade vêm sendo estudadas e desenvolvidas, sendo que o método mais seguro e eficaz hoje é o congelamentode espermatozoides, óvulos ou embriões, anteriormente à terapia gonadotóxica.

A criopreservação de espermatozoides é simples e pode ser feita imediatamente antes do início da terapêutica oncológica. No caso de óvulos e embriões, o congelamento requer estímulo medicamentoso dos ovários, procedimento que pode levar de três a seis semanas, o que nem sempre é possível. Quando possível, as estratégias incluem regimes de estímulo ovariano modificados para prevenir o potencial efeito deletério das altas concentrações hormonais.

Quando não é possível esperar o estímulo ou preservar os espermatozoides antes do tratamento, a alternativa é o congelamento do tecido ovariano ou testicular, técnica também adequada para preservação da fertilidade no delicado caso de crianças e pré-adolescentes. O tecido ovariano é uma fonte de gametas, que podem ser criopreservados e, após o final do tratamento oncológico, a paciente tem possibilidade de reestabelecer os ciclos reprodutivos.

O congelamento de pequenas partes do ovário humano é ainda um grande desafio da medicina, pela complexidade das células envolvidas. Porém, avanços nessa área e estudos têm permitido o desenvolvimento de diversas técnicas de preservação da fertilidade, trazendo a possibilidade de maternidade antes impensada.

Aproveitando a data e a atenção mundial, fica o alerta: pacientes com diagnóstico de câncer devem ser informados a respeito da possível perda da fertilidade e, principalmente, das opções para sua manutenção, esperança de paternidade futura que auxilia, sem dúvida, no tratamento da doença.

É possível preservar a fertilidade após o câncer

Compartilhe:

 

Visitas: 285

Fonte: veja.abril.com.br

Nossas Unidades

Receba nossos informativos:

Site seguro

https://bioscan.med.br/ https://bioscan.med.br/

Escolha a unidade Bio Scan mais próxima de você:

[Grande Vitória] Hospital Meridional
[Grande Vitória] Vitória Apart Hospital
[Grande Vitória] Campo Grande
[Norte Capixaba] Linhares
[Norte Capixaba] São Mateus

Este site utiliza cookies e outras tecnologias para melhorar a sua experiência. Leia nossa Política de privacidade.